domingo, 31 de outubro de 2010

HALLOWEEN NO GRAN CAFFE





Nunca fui muito apologista da ideia de festejar o Halloween e nunca o celebrei com as minhas crianças por considerar que não tem nada a ver com as nossas tradições, mas na realidade esta é mais uma das ideias importadas dos Estados Unidos que a cada ano que passa está a ganhar mais força e mais adeptos,mas.... lá dei comigo a jantar no Gran Caffe,na Avenida dos Aliados.
Uma ementa diabólica:Cogumelos venenosos,Pá de porco com olhos de cabra e arroz das trevas e Crepe com sangue de morcego...estava tudo divinal!...(que contra senso sendo a noite das bruxas!) e o ambiente bastante agradável...
Apologista ou não da noite de Halloween, foi um bom pretexto para uma noite muito bem passada com bons amigos...
Viva as Bruxas!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

COLORIR A VIDA

Escolhi este vídeo da Aquarela de Toquinho  por a considerar uma linda melodia para iniciar uma "dissertação" sobre o desenho infantil mas depois de a ouvir de novo,a minha ideia levou um "volt face"....talvez ainda por me recordar do filme que assisti no sábado passado, em que chorei o tempo todo, mas do qual saí "leve como um passarinho":Sempre que te vejo.É a história de dois irmãos que se adoravam, o mais velho tinha um futuro risonho pela frente depois de ganhar uma bolsa de estudo, viviam com dificuldades económicas mas eram felizes...até que num acidente de viação o mais novo morreu e nada foi como dantes.Simples mas demasiado complexo!
Leva a pensar que não devemos levar tão a sério as" pequenas" contrariedades com que nos deparamos, não devemos dar valor a ninharias ...devemos ser portadores de uma paleta de cores e colorir cada minuto,cada hora,cada dia da nossa vida porque um dia a morte encarregar-se-à de a descolorir... e depois só ficarão as recordações e uma  enorme saudade....
E o desenho infantil? Ficará para um outro dia!....

         
                    

domingo, 24 de outubro de 2010

MATEMÁTICA ,ECOLOGIA E PLÁSTICA UMA EXPOSIÇÃO BOMBÁSTICA!

Quando nos foi proposto em três Unidades Curriculares que aparentemente nada têm em comum ,a realização de trabalhos que no final seriam alvo de exposição no átrio do Instituto Piaget ficamos um pouco apreensivas mas o resultado final é fantástico:um livro jogo "O Passeio dos Triângulos",uma maleta pedagógica para visita ao exterior com o objectivo de preservar e cuidar das dunas e sólidos geométricos... reciclando um máximo de materiais...





Ver para crer!...

TRABALHO DE GRUPO

Num trabalho de grupo quando um perde,todos perdem...quando um ganha, todos ganham...mas quando todos cooperam é mais fácil realizar actividades,existe um máximo de aproveitamento dos talentos de cada um,há uma maior produtividade e criatividade e um conjunto de trocas de experiências,uma maior responsabilização individual e uma maior motivação.
Da partilha de ideias,do diálogo,da divisão de tarefas,surgem emoções e é através desses momentos que se consegue chegar a soluções que não serão de todo definitivas mas serão "um lançar de sementes" para que alguém,depois de nós possa dar continuidade ou concluir o nosso PROJECTO...de vida,de trabalho.
Ao longo da nossa vida por vários motivos vemo-nos "obrigadas" a trabalhar em grupo mas neste momento digo OBRIGADA por ter trabalhado em grupo durante o Complemento de Formação Cientifico Pedagógico para Educadores de Infância no Instituto Piaget,em Gaia.




Embora tenha trabalhado afincadamente para atingir os objectivos a que me propus,num ano que foi particularmente "agitado",chegar ao fim (está quase!!!) só foi possível graças ao apoio incondicional dos meus filhos Lourenço e Marta,de alguns amigos e familiares e do grupo de trabalho que encontrei no Piaget.
Para as EMES aqui fica um agradecimento especial pelos momentos vividos ao longo deste ano de sacrificio, isto é, de formação, onde descobri que o nosso problema não é " falta de dinheiro" mas sim como geri-lo;que a minha" criatividade não sai cá para fora" mas gosto de jarras nos seus lugares; que é possível arrepiarmo-nos com determinadas situações; que os "manquinhos" são tão bons ou melhores que a primeira escolha;que uma peça simples consegue pôr os paus em pé;que....que....que....tanta coisa que poderia ser dita da nossa aventura em Canelas mas só me resta dizer:
- "Cila,Joana,Lecticia ,Romy: OBRIGADA por terem vindo!"

OS PATOS PREFEREM A ESCOLA



"NO TEMPO em que os animais falavam, os bichos constataram que o meio em que viviam começava a tornar-se cada vez mais complexo e havia que impor novas hierarquias, estabelecer novos parâmetros de comportamento, uma vez que já não chegavam os seus instintos inatos para enfrentar as modificações do meio. Esta necessidade deu lugar à ideia de ESCOLA: uma estrutura social, que os habilitaria, A TODOS, para enfrentar as crescentes modificações a que assistiam. Foram escolhidos os melhores animais para a docência, isto é, os reconhecidos como mais experientes, alta profissionalização nos seus domínios específicos, grandes títulos em competições. O reconhecimento destas qualificações envaideceu-os, naturalmente, e a maioria esqueceu, desde logo a razão por que estava ali. Com muitas reuniões gerais de professores, muitas reuniões de grupo, reuniões de conselho pedagógico, de departamento, de secções, reuniões de conselho executivo, etc… escolheram o seguinte currículo: Nadar, Correr, Voar, Galpar montes e saltar obstáculos.
Os primeiros alunos foram o Cisne, o Pato, o Coelho e o Gato.
Começadas as aulas, cada professor, altamente preocupado com a sua disciplina, preparava primorosamente a matéria, dava sem perder tempo, procurando cumprir o programa e a planificação do mesmo. Faziam, assim jus aos seus títulos e competências. Mas os alunos iam-se desencantando com a tão sonhada escola. Vejam o caso particular de cada aluno:
- O Cisne, nas aulas de correr, voar e galpar montes era um péssimo aluno. E mesmo quando se esforçava, ao ponto de ficar com as patas ensanguentadas das corridas e calos nas asas, adquiridos na ânsia de voar, tinha notas más. O pior era que, com o esforço e desgaste psicológico despendido nessas disciplinas, estava a enfraquecer na natação, em que era o máximo.
- O Coelho, por sua vez padecia nas matérias de nadar e voar. Como poderia voar se não tinha asas? Em se tratando de nadar, a coisa também não era fácil não tinha nascido para aquilo. Em contrapartida, ninguém melhor do que ele, corria e galpava montes.
- O Gato tinha problemas idênticos ao do coelho, nas disciplinas de natação e voo. Ele bem insistia com o professor que, se o deixasse voar de cima para baixo, ainda poderia ter êxito. Só que o professor não aceitava essa ideia louca: não estava contemplada no programa aprovado e o critério de selecção era igual para todos.
- O pato, finalmente, voava um pouquinho, corria mais ou menos, nadava bem mas muito pior do que o cisne, e desastradamente, embora com algum desembaraço, até conseguia subir montes e saltar obstáculos. Não tinha reprovações a nenhuma disciplina, como os seus restantes colegas o que fazia sumamente brilhante nas pautas finais. Os professores consideraram-no o aluno mais equilibrado, deram-lhe a possibilidade de prosseguir estudos e, com tantos “atributos”, até fomentaram nele a esperança de um dia, poder vir a ser professor.
Os restantes alunos estavam inconformados. Nada tinham contra o pato, gostavam dele, compreendiam o seu grau mínimo de suficiência a todas as disciplinas, mas, perguntavam-se: a espantosa capacidade do Coelho em saltar obstáculos, correr e galgar montes não poderia ser aproveitada para enfrentar as tais novas situações sociais, que os levaram a ter a ideia de ESCOLA? E o Gato? De nada lhe serviria correr e saltar melhor do que o pato? E que utilidade teria, para o cisne, nadar como nenhum outro? –Cada um tinha, de facto, a sua queixa justificada. Escola, pensavam eles era o local onde aperfeiçoariam as capacidades que tinham, de modo a po-las ao serviço da sociedade. Se as coisas já estavam difíceis, que fazer agora com a tremenda frustração de não servirem para nada? Foram falar com os professores. As limitações de cada um eram um facto, eles sabiam que jamais seriam polivalentes, de modo a terem grandes escolhas. Contudo, se reprovassem no ano seguinte estariam exactamente na mesma situação.
Os professores lamentaram muito. Havia um programa, superiormente estabelecido e a questão era só esta: Ninguém tinha média igual ao do pato e, por isso, na sua mediocridade, ele era, estatisticamente superior a todos.
Os outros alunos abandonaram a escola. Desde então por razões óbvias a escola atrai mais os patos e, na sociedade são eles que mais dominam"

Fernanda Torrinha/Dulce Bento


Tive contacto com este texto no Complemento de Formação e senti vontade de o partilhar....chegou a hora de, nos nossos Projectos Curriculares de Turma efectivamente pensarmos em currículos adequados às nossas crianças. O lema "a escola para todos"é bonito mas teremos que pensar em cada um em particular!Se assim não for correremos o risco de a próxima geração "dar um jeitinho" em tudo e não ser especializada em nada!...



















sexta-feira, 22 de outubro de 2010

AS CEM LINGUAGENS



A criança é feita de cem.
A criança tem cem mãos,
cem pensamentos,
cem modos de pensar,
de jogar e de falar.
Cem, sempre cem modos de escutar as maravilhas de amar.
Cem alegrias para cantar e compreender.
Cem mundos para descobrir.
Cem mundos para inventar.
Cem mundos para sonhar.
A criança tem cem linguagens
(e depois, cem, cem, cem),

Mas roubaram-lhe noventa e nove.
A escola e a cultura separam-lhe a cabeça do corpo.
Dizem-lhe: de pensar sem as mãos,
de fazer sem a cabeça,
de escutar e de não falar,
de compreender sem alegrias,
de amar e maravilhar-se
só na Páscoa e no Natal.
Dizem-lhe: de descobrir o mundo que já existe
e de cem, roubaram-lhe noventa e nove.
Dizem-lhe: que o jogo e o trabalho,
a realidade e a fantasia,
a ciência e a imaginação,
o céu e a terra,
a razão e o sonho,
são coisas que não estão juntas.
Dizem-lhe: que as cem não existem.
A criança diz: ao contrário, as cem existem.

Loris Malaguzzi

domingo, 17 de outubro de 2010

QUATRO PILARES DA EDUCAÇÃO

QUATRO PILARES DA EDUCAÇÃO

O conceito de Educação contem em si a ideia de perfeição, insistindo no contacto e influência humana.
A Educação é intencional e sistemática possuindo uma dimensão integral. É um processo interacional, dinâmico e intemporal, isto é, implica o “outro”, visa o desenvolvimento integral e equilibrado de todas as faculdades do ser Humano, numa perspectiva sistemática e ecológica.
A Educação contribui para que o Homem se torne um membro útil socialmente, seja íntegro, crítico e criativo, e não um mero repetidor das ideias dos outros, procurando a sua auto satisfação nas diferentes vertentes da vida.
Do relatório para UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o séc. XXI coordenada por Jacques Delors, estabeleceram-se quatro pilares definidores da estratégia da Educação Humana:




• Aprender a conhecer
• Aprender a fazer
• Aprender a viver juntos/com os outros
• Aprender a ser


APRENDER A CONHECER
Tem como finalidade o prazer de compreender, conhecer e de descobrir exercitando a atenção, a memória e o pensamento. Este é um processo inacabado, múltiplo e evolui infinitamente uma vez que se pode aprender e enriquecer com qualquer experiência em qualquer altura da vida.

APRENDER A FAZER
Este e o primeiro pilar são em certa medida indissociáveis, embora este esteja ligado à formação profissional: como ensinar o aluno a levar à prática os seus conhecimentos e como adaptar a educação ao trabalho futuro.

APRENDER A VIVER
É sem dúvida o pilar orientado para as atitudes, valores e o viver em cidadania. Sendo o mundo actual, um mundo de violência, é difícil viver em comunidade!
É necessário a descoberta progressiva do outro (e a descoberta do outro passa pela descoberta de si próprio) e a participação em projectos comuns, pois quando se trabalha em conjunto, as diferenças e os conflitos tendem a esbater-se.
Desenvolver uma atitude de empatia na escola é extremamente útil para toda a vida, assim a educação formal deveria reservar tempo para iniciar os jovens em projectos de cooperação, como por exemplo acções humanitárias.

APRENDER A SER
A Educação deve contribuir para o desenvolvimento total da pessoa: espírito e corpo, inteligência, sensibilidade, sentido estético, responsabilidade pessoal, espiritualidade, etc, para que se formem indivíduos autónomos, intelectualmente activos e independentes, capazes de estabelecer relações interpessoais, de formular os seus próprios pensamentos e juízos de valor, para poder decidirem por si mesmo nas mais variadas circunstâncias da vida.












quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A SABEDORIA DAS CRIANÇAS

Num período em que vivo com mil e uma coisas na minha cabeça e uma lista infindável de coisas para organizar é com as crianças que eu descubro que não vale a pena "stressar"...devemos fazer como nos disse Raul Solnado "Façam o favor de ser felizes"



                     

terça-feira, 12 de outubro de 2010

MAFALDINHA DE SEMPRE

                                 

EDUCAÇÃO PELO EXEMPLO

Não são só os profissionais de educação que têm o dever de educar...pois as crianças aprendem com todas as suas vivências, dentro e fora da escola!...


                     

REQUISITOS PARA UMA EDUCADORA

O que uma Educadora deve ter...

Uma memória de elefante, para de tudo se lembrar.
Uma paciência de anjo, para a todos educar.
Olhos à volta da cabeça, para tudo poder ver.
Resposta automática, para a todos responder.

Microfone incorporado, para tudo registar.
Umas costas bem largas, para tudo isto aguentar.
Ouvidos com controlo de intensidade, para não ficar com a cabeça atordoada.
E uma voz bem resistente, para não ter de ficar calada.

Oito braços como um polvo, para a todos ajudar.
E um coração de criança, para tudo apreciar.
Um bom filtro nasal, para aos maus cheiros resistir.
E um enorme bom humor, para tudo encarar a rir!

Mais 10 dedinhos de fada, que ajudem a trabalhar…
E umas pernas de atleta, para os mais pequenos apanhar.
Conhecimentos de informática, para usar o computador.
E também de medicina, para aliviar a dor.

Precisa também de ter muita cultura geral.
E nas áreas científicas, não poderá dar-se mal…
Biologia, Matemática e também Meteorologia.
Para além de Físico-química e também Geografia.

Tem de saber Psicologia, para lidar com as pessoas.
E dizer, sem magoar, às vezes coisas menos boas…
Enfim, uma Educadora à medida da necessidade,
Só feita por encomenda, não vos parece verdade?

(Autor Desconhecido)